PALESTRA ORIENTA A PRODUÇÃO EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO MUNICÍPIO DE MONTE ALEGRE

PALESTRA ORIENTA A PRODUÇÃO EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO MUNICÍPIO DE MONTE ALEGRE
A gerência regional da Calha Norte do Ideflor-Bio, está promovendo em parceria com a Prefeitura Municipal de Monte Alegre, através da Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura – SEMMAG, além da Emater, Ceplac, STTR, SINPRUMA e EETEPA, a palestras “Sistemas Agroflorestais da Amazônia e roças sem fogo – As experiências em Tomé-Açu (CAMTA), Moju e Mojuí dos Campos”, ministrada Michinori Konagano, considerado um dos maiores especialistas em sistemas agroflorestais e roças sem fogo do Brasil, reconhecido pelo trabalho em SAFs no município de Tomé Açu, nordeste paraense.
Por todo o dia de ontem, terça-feira, 15, houve palestra no auditório da EETEPA com a participação de 110 pessoas entre técnicos de instituições ligadas ao Meio ambiente e Agricultura, produtores e estudantes. No final da tarde realizado a primeira prática, sobre compostagem dentro da própria ETEEPA.
Hoje quarta-feira, 16, serão executadas algumas práticas num sistema agroflorestal que existe na comunidade de Terra Preta, um Safs já consolidado, com prática de adubação e poda. Na quinta-feira, 17, haverá também práticas culturais num outro Safs, na propriedade do Sr. Luis Quibisso, na comunidade de São Diogo.
Para o gerente regional do baixo Amazonas do IdeflorBio, Jorge Braga, é uma oportunidade única de todos aprenderem com Michinori Konagano sobre sistemas agroflorestais na Amazônia, e quem ganha com isso são os produtores rurais de Monte Alegre, o meio ambiente, a natureza e a produção de alimentos. “Nos temos daqui pra frente é pensar direitinho na possibilidade inclusive da implantação de mais sistemas agroflorestais, pra que nós possamos chegar no nível de Tomé Açu, que se popularizou e hoje toda a produção lá é baseada em sistemas agroflorestais”, disse Jorge Braga, ressaltando que “Essa palestra vem num momento importante, porque quando se tá nessa turbulência da questão ambiental, especialmente sobre as queimadas, esse evento vem num momento oportuno para tratar da produção com a preservação junta, é você produzir sem tá queimando, sem tá derrubando floresta, esse é o objetivo”, finalizou.
Michinori Konagano, é produtor agrícola, cultivando 230 ha em sistemas agroflorestais, é Consultor, ex-presidente da CAMTA – Cooperação Agrícola Mista de Tomé-Açu e ex-secretário de Agricultura de Tomé-Açu. Segundo Michinori, a inspiração na diversificação, veio da observação dos quintais dos ribeirinhos amazônicos, que possuíam em uma mesma área, frutíferas, mandioca, açaí e até pequenos animais. Seus parentes quando chegaram do Japão para cultivar em Tomé Açu, só plantavam pimenta do reino, mas uma praga dizimou a plantação, mesmo assim a família Konagano continuou com o cultivo da pimenta, mas não mais como monocultivo. Há cerca de 30 anos, passaram a cultivar também cacau e andiroba, em seguida o açaí, cupuaçu e outra gama de espécies frutíferas e florestais com o aproveitamento total das terras.
Os Sistemas Agroflorestais (SAFs), inicialmente adotados por aqueles produtores como uma estratégia de sobrevivência, hoje destaca o município de Tomé Açu como modelo de produção sustentável, organização e geração de emprego e renda na Amazônia. Esses sistemas permitem aos produtores a redução ou a eliminação do uso de insumos externos, como adubos ou defensivos agrícolas, mantém o controle biológico de pragas e doenças, além de safras de diversos produtos que podem garantir renda durante todos os meses do ano.
SAFs – Os Sistemas agroflorestais são consórcios de culturas agrícolas, nos quais se combinam espécies arbóreas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas e/ou criação de animais, de forma simultânea ou em sequência temporal e que promovem benefícios econômicos e ecológicos. É um sistema que gera renda o ano todo, contribui no controle da temperatura, umidade relativa do ar e da umidade do solo.

Prefeitura Municipal de Monte Alegre – PA
Assessoria de Comunicação – ASCOM

Accessibility