quarta-feira, julho 17, 2024
Sem categoria

SECRETÁRIA DE INCLUSÃO SOCIAL DE MONTE ALEGRE BUSCA ALTERNATIVA SOCIAL PARA AS FAMÍLIAS VENEZUELANAS

SECRETÁRIA DE INCLUSÃO SOCIAL DE MONTE ALEGRE BUSCA ALTERNATIVA SOCIAL PARA AS FAMÍLIAS VENEZUELANAS
A secretária municipal de Trabalho e Inclusão Social de Monte Alegre, Josefina Carmo, esteve em audiência na terça-feira, 12, em Belém com o Secretário da SEASTER (Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda do Estado do Pará), Dr. Inocêncio Gasparim, para tratar sobre o atendimento as famílias de indígenas Warao que estão no município de Monte Alegre.
A pauta da audiência foi sobre o co-financiamento Estadual para o Piso dos serviços da Proteção Social Básica e Especial que é realizado por meio de transferência de recursos financeiros do FNAS (Fundo Nacional de Assistência Social) para o fundo municipal. A Proteção Social Especial prevê serviços de proteção e acolhimento para indivíduos e famílias que se encontram sem referência, ou em situação de ameaça, retirada de seu núcleo familiar e/ou comunitário até que seja possível seu retorno a esses núcleos. Neste caso os indígenas Warao que vieram da Venezuela e se encontram na cidade de Monte Alegre, estão sendo beneficiados pelo FNAS e contra partida do governo municipal, mas não existe até momento um plano de alocação dessas famílias.
Nesta quinta-feira, 14, Josefina Carmo está juntamente com uma equipe técnica visitando um abrigo em Belém, com a finalidade de melhor conhecer e se capacitar para o atendimento dos indígenas que se encontram no município.
Os indígenas Warao representam um desafio jurídico, sociológico e político. Isto porque transcendem a condição imigrante e demandam proteção jurídica específica como indígenas. A Constituição Federal, no artigo 231, reconhece aos indígenas o direito à organização social, costumes, línguas, crenças, tradições e também à terra tradicionalmente ocupada. Apesar de os Warao não terem terra tradicionalmente ocupada no Brasil, segundo a lei isto não impede o exercício dos demais direitos, já que estes não são condicionados ao espaço físico. Acerca dessa questão, o governo busca estratégia de alocação que lhes facilite a reprodução física e cultural, haja avisto que abrigos são uma solução paliativa e transitória.
WARAO – Os índios Warao, um dos povos mais antigos do Delta do Orinoco, no nordeste da Venezuela, estão fugindo da crise política e econômica do país presidido por Nicolás Maduro para buscar refúgio em cidades na fronteira do extremo norte do Brasil. Eles chegam com fome e necessitados de atendimento médico, trazendo crianças e idosos.
A ONG internacional de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) classificou a situação na Venezuela de Nicolás Maduro como “muito grave”, e indicou a necessidade do Brasil se posicionar em relação à crise política e econômica, atuando para evitar que a situação se transforme em violência e em abusos ainda maiores do que os já sofridos pela grande maioria dos cidadãos do país.
Os indígenas Warao tem costume de técnicas tradicionais de coletas de frutos e pequenos animais em seu habitat natural, feitas por mulheres e crianças, o que transportadas para a vida nas cidades, essas mulheres e crianças passam a pedir esmolas em locais de grande concentração de pessoas, em Monte Alegre principalmente em portas dos bancos e casas lotéricas. Mas as mulheres Warao sabem produzir artesanato, incluindo cestarias, mantas e redes tecidas à mão.

image_pdfSalvar PDFimage_printImprimir
ACESSIBILIDADE